sexta-feira, 23 de março de 2012

Projeto de Vida, Todos Temos Um


Quando resolvi postar esse texto, pensei em meu amigo Celso. Além de trabalhar durante o dia em uma metalúrgica, ele dá aulas à noite em uma escola estadual e é assessor da Pastoral da Juventude Estudantil (PJE). Mas, ao reler o texto de minha época de faculdade de Pedagogia, vi, mais uma vez o quanto esse texto é instrutivo para  professores e jovens. É um pouco longo, mas vale à pena ler.

Projeto de Vida, Todos Temos Um

Luiza de Marilac Mendes Amorim
Co-autora: Lenise Garcia

Quando criança, acreditava que, ao ficar nas pontas dos pés, alcançaria as estrelas. Essa idéia me perseguiu nos meus primeiros anos, até perceber que a estrela que desejava alcançar está dentro de mim. A partir desse momento a minha visão de mundo mudou e comecei a construir o meu projeto de vida.

Cada ser nasce dotado de um potencial, mas o que nos faz diferentes e únicos? Os caminhos que trilhamos na vida são resultado das oportunidades e escolhas que fazemos nesse percurso. O que conto, fazendo memória:

Eu fui a 16ª filha de uma família estruturada e feliz dentro de suas condições peculiares; poderia ter ficado conformada com o que nos era oferecido: vida no campo e acesso à escola rural precária.

Sobrepondo-nos aos obstáculos inerentes à vida familiar da época, fomos “arrastados” a desbravar as nuances da vida urbana. Ninguém melhor que a irmã mais velha para nos mostrar, com seu exemplo, novas perspectivas de vida.

Saímos do anonimato, da escuridão do analfabetismo e agarramos com unhas e dentes a oportunidade que nos foi oferecida.

Iniciada a vida na cidade, fomos motivados a nos perceber como seres capazes, competentes. As primeiras letras, o decifrar da leitura nos abriu um caminho sem volta: já não pensamos e agimos como seres alheios à vida.

A escola passou a ser a minha constelação, sonhava em alcançar todas as estrelas fazendo brilhar a minha estrela interior...

Seria esse o início da história da minha vida, ou o preâmbulo do meu projeto de vida, escrito em forma de romance, memórias, etc.



Mas será que fazemos mesmo um projeto para nossas vidas? O que é um projeto de vida?

Se alguém deseja construir um barco, será necessário que planeje por onde começar, decida que materiais irá utilizar e tudo mais que é necessário fazer para a concretização desse desejo. Essa pessoa poderá também montar um projeto de construção desse barco baseado no desejo de quem encomendou a obra. A partir desse projeto, ele terá claro quanto de material será necessário e em quanto tempo irá concluir o trabalho. Assim terá um plano, um projeto para seguir que lhe indicará o caminho mais viável para construir o barco com a melhor qualidade.

Na vida, ocorre algo semelhante. Temos muitas metas, objetivos que desejamos realizar. A vida nos oferece diversas oportunidades que na sua maioria são únicas. Muitas vezes, buscamos variados caminhos e fazemos diferentes escolhas. Às vezes, dependendo da escolha que fazemos, tomamos rumos que nos afastam do nosso objetivo maior ou ficamos confusos quanto a qual caminho seguir porque não traçamos antes o nosso plano, o que de fato queremos na vida: o nosso projeto de vida. Também pode acontecer, como no caso do barco, que estejamos trabalhando em um projeto alheio. Não fomos nós que planejamos as nossas vidas, mas outros a planejaram e nós aderimos, consciente ou inconscientemente, a esse plano. É o caso do filho que segue a profissão que os pais desejam, ou da pessoa que vai sendo levada pelas circunstâncias, mais do que por verdadeiras escolhas.

Um projeto de vida é um plano estruturado, no qual é possível visualizar melhor os caminhos que devemos seguir para alcançar aquilo que queremos; as nossas metas. Portanto é necessário que tenhamos antes de tudo bem definido onde queremos chegar, quais nossos objetivos, não desprezando nessa definição os nossos princípios e valores, pois são eles o nosso alicerce de vida. Quando nossas metas não estão em consonância com os nossos valores, dificilmente estaremos satisfeitos com a nossa vida, seremos portanto, sempre infelizes. Mesmo quando alcançamos determinadas metas, se essas não estiverem em harmonia com o que realmente acreditamos como princípios, sentiremos um grande vazio interior que nos irá deixar em conflito e sem direção.

Na construção do projeto de vida é fundamental conhecer-se, saber o que realmente se quer da vida. E saber que, para rumar para esse ideal, será necessário esforço e constância, e o desenvolvimento das competências necessárias para que a meta possa ser atingida.

E aqui entra a reflexão sobre a educação. Haverá algo mais importante, para um educador, do que contribuir para que seus alunos possam desenvolver adequadamente seus projetos de vida, para que não fiquem em simples desejos? Mas poderá o educador fazer isso sem interferir nos ideais, sem impor aos alunos os seus próprios projetos?



Penso que isso é possível, quando o educador compreende que existem algumas competências básicas que precisam ser desenvolvidas, e que farão parte do projeto de vida de qualquer pessoa, serão caminho para ele.

Essa percepção esteve no fundo da definição dos chamados 4 pilares da educação: Aprender a Ser, Aprender a Conviver, Aprender a Conhecer e Aprender a Fazer.

Qualquer que seja o nosso projeto, ele envolve antes de mais nada a construção de nós mesmos. O desenvolvimento da competência pessoal do Aprender a ser exige um aprendizado ao longo da vida e constante capacidade de transformação. Estaremos sempre indo ao encontro de nós mesmos, reconhecendo as nossas relações com o outro e com o mundo. Estaremos construindo e reconstruindo o nosso projeto de vida fundamentado numa identidade única, o que nos levará a uma grande realização como pessoa humana.

À medida que vamos executando o nosso projeto de vida, convivemos e nos relacionamos com as pessoas e nasce, portanto, a necessidade de exercitarmos o Aprender a Conviver, competência que nos permite agir de forma adequada no âmbito interpessoal e social. Como afirma Antonio Carlos Gomes da Costa e Simone André no Livro Educação para o Desenvolvimento Humano, cap. 3, “Estar com o outro é a base para o aprender a ser e a estar consigo mesmo.”

O desenvolvimento do projeto de vida, qualquer que seja ele, demanda a flexibilidade para a aprendizagem. Na conjuntura atual, o conhecimento é a chave para o sucesso, se posicionar como eterno aprendiz é a regra. Aprender a conhecer ao longo da vida, em todos os espaços onde vivemos, e, mais que conhecer, dominar os processos de produção e gestão do conhecimento é fundamental.

Por fim, ninguém pode realizar seu projeto de vida se não consegue desenvolver a competência produtiva do Aprender a fazer, que nos permite criar e realizar transformações em qualquer nível, econômico,social, político ou cultural. Como seres produtivos, não teríamos um projeto de vida completo e real se não incluíssemos a possibilidade para o ingresso, regresso, permanência e sucesso no mundo do trabalho. Como diz o cantor cearense Raimundo Fagner em sua canção “Um homem se humilha se castram seus sonhos, seu sonho é sua vida e a vida é o trabalho, e sem o seu trabalho o homem não tem honra e sem a sua honra, se morre, se mata...

Além da fundamentação das 4 Competências Básicas, a efetivação do projeto de vida inclui 8 áreas ou saúdes como determina a OMS (Organização Mundial de Saúde): Saúde Física, Saúde Espiritual, Saúde Intelectual, Saúde Familiar, Saúde Social, Saúde Financeira, Saúde Profissional e Saúde Ecológica.

A falha na inclusão de alguma delas fará com que haja uma incompletude, mais ou menos percebida, na vida da pessoa.

Sobre as saúdes
·        Saúde Física: está relacionada com o corpo físico. O corpo é o meio pelo qual podemos manifestar toda nossa essência. O que pode ser feito para manter o corpo saudável?
·        Saúde Espiritual: diz respeito ao auto-desenvolvimento como Ser. Qual a importância de manter a paz de espírito, o amor próprio e o amor pela vida?
·        Saúde Intelectual: aborda o aprendizado. Que atitudes e/ou decisões tem refletido sinais de aprendizagem? Os investimentos nesse aspecto estão sendo importantes?
·        Saúde Familiar: contempla os relacionamentos familiares. Consideras importante manter o relacionamento amoroso e harmonioso com todos os seus familiares?
·        Saúde Social: faz relação com a sociedade como um todo. O que é necessário para viver numa sociedade mais justa? O que pode ser feito para ajudar o próximo?
·        Saúde Financeira: está relacionada com as finanças. Será importante um planejamento para viver de forma equilibrada o aspecto financeiro?
·        Saúde Profissional: prevê sobre a carreira profissional. Qual é a motivação (motivo para ação) que o faz estar nesta profissão?
·        Saúde Ecológica: diz respeito a natureza e o planeta Terra. O que é possível fazer para viver em harmonia com a natureza?

As 8 saúdes estão inter-relacionadas uma com outra, ou seja, para a conquista de uma meta em uma área, talvez seja necessário colocar uma outra meta em outra área.

Finalmente para sermos felizes e equilibrados necessitamos de um projeto de vida bem delineado, onde possamos nos perceber como ser capaz, com potencial para vivermos em sociedade e em paz com o mundo.

Referências Bibliográficas:
ANDRE, Simone e COSTA, Antonio Carlos Gomes. Educação para o desenvolvimento humano. São Paulo: Ed. Saraiva/Instituto Ayrton Senna, 2004.

FONG, Saulo - Instituto União - Disponível em http://www.pensamentopositivo.com.br/projetodevida/

Nenhum comentário:

Postar um comentário